O Projeto

Eu mulher, invento-me, reinvento-me, represento-me.

Encontrei minhas origens
Na cor de minha peles
...
Encontrei
Encontrei-as enfim
Me encontrei

(Oliveira Silveira) 



No mês da Consciência Negra deste ano de 2014 quisemos abordar a beleza da mulher negra.

A presença das mulheres negras no Brasil nos apresenta uma história de luta e superação. Sabemos que desde que chegaram ao Brasil elas tiveram que trabalhar em difíceis condições. Foram separadas dos seus filhos, maridos e outros parentes, pois, cada um era vendido para um determinado senhor. Nas fazendas eram tratadas como objetos sexuais, constantemente eram vítimas de abusos e estrupo pelos fazendeiros. Durante muito tempo percebemos que essas mulheres continuaram a carregar algumas desvantagens do sistema injusto e racista de nosso país.

Temos vivido um tempo de transformação. As mulheres, de modo geral, têm ido à luta e conquistado o seu espaço no mercado de trabalho, nas faculdades. Elas estão presentes em lugares em que anteriormente não estavam. Estão conquistando a igualdade de direitos.

Atualmente existe um movimento que busca resgatar a identidade física, estética e cultural dos afrodescendentes. Esse resgate acontece de várias formas em nosso cotidiano. As raízes afrodescendentes são muito fortes. As mulheres têm assumido seus traços, seu corpo, seu cabelo, sua essência. Elas reconhecem sua beleza, sua capacidade de atuar em áreas que não são somente o serviço doméstico e serviçal, também a capacidade de atuar dentro das faculdades, dialogar e transformar atitudes que possam ser preconceituosas.

Esse olhar sobre a mulher negra em nossos dias leva-nos a descobri-las como possuidoras de beleza, delicadeza, encanto e perfume, assim como são as flores. Por isso as participantes deste projeto serão apresentadas com o nome de flores.

Este projeto propõe que a mulher negra redescubra sua verdadeira representação na sociedade, valorizando suas raízes.